Home | Gente que Inspira | Entrevista | Uma homenagem à avó Joaquina

Uma homenagem à avó Joaquina

Uma homenagem à avó

Uma homenagem à avó Joaquina, é assim que nasceu a marca Vó Joaquina. Nascida em Bagé (RS); fronteira com o Uruguai, a Melina Gomes é a criativa por trás da Vó Joaquina, oficina de Criação e desenvolvimento de Costura, onde o foco são as peças de enxoval e roupas de dormir.

“Formada em Artes Plásticas, trabalhei com formação de alunos e professores até 2006, nesta área. Mas sentia muitas saudades de produzir, dar forma, transformar. Uma amiga me convidou para fazer as colchas de bebês, dos enxovais que confeccionava. Montamos o Atelier Fiandeiras. Nesta época eu não sabia o nome de nenhum tecido sequer. Pouco tempo se passou e já estava costurando, modelando, criando. Descobri, no princípio, a minha paixão pelos tecidos e estampas!”

“Eu construí meu caminho, sou autodidata. Eu comecei a minha formação com aulas de desenho industrial; então tenho facilidade de criar, ornar, compor, pesquisar, desenvolver ideias. Mas os poucos cursos que fiz – na área – fizeram com que desce pequenos saltos de qualidade. Tenho muita facilidade de fazer contatos, criar estratégias, mudar os rumos; tenho noção de processo. Quando desfiz a sociedade criei a minha marca: Vó Joaquina – Atelier.”

Uma homenagem à avó

Os desafios do processo criativo

“Eu tenho um Atelier em casa. O meu Atelier começou em um corredor de quatro metros e ocupa – hoje – uma peça de 8 metros quadrados, mais alguns armários onde guardo o estoque e os tecidos. Tenho quatro máquinas, sendo uma industrial. Eu não tenho tempo de organizá-lo, por este motivo não consegui até hoje abri-lo para minhas clientes.”

“O principal desafio, desde sempre, é contar com o outro. A mão de obra nesta área está, cada vez mais, escassa. Eu tenho uma costureira que acompanhou o meu percurso: a Dona Luiza. Mulher que costura há mais de cinquenta anos. Além disso, é difícil fazer sozinha as diversas coisas que um bom pequeno empreendedor precisa fazer bem. Quem fez um curso de empreendedorismo e não se questionou: quantas pessoas devem fazer TUDO isso? Só uma pessoa: você!”

 Compreendendo os anseios da clientela

“Trabalhar com o outro – o cliente da venda personalizada – pode estabelecer uma parceria criativa. A parceria depende de boa comunicação e disponibilidade de ambos os lados. O cliente que deseja a roupa de dormir, as peças do seu enxoval ou um item para seu dia a dia, já tem suas idéias prévias e ter uma boa escuta e estar pronto para pesquisar, afim de dar forma aos desejos é um grande desafio.”

“O produto que mais vendo são nas cartucheiras. Criei esta peça com aquela amiga, lá do início, por encomenda. Como ela nasceu de uma necessidade já tinha público. Eu fui, com o tempo, remodelando e direcionando para novas demandas. Eu adoro criar peças novas, o desafio é não conseguir dizer não.”

“Há pouco tempo me aconteceu isto e o resultado, desta vez, foi estupendo: a Bolsa de Selim desenvolvida com o ciclista Richard Dunner. Como eu falei anteriormente, é um desafio depender do outro; mas quando o outro é um grupo de ciclistas, maravilha! Eles são sedentos por novidades, atenciosos, disponíveis para testar. Hoje eles são a metade dos meus amigos, na rede social.”

Uma homenagem à avó

 A Vó Joaquina

Eu considero curioso o nome do meu Atelier. Vó Joaquina era a minha avó materna. Fora o imenso amor que dedicou à minha pessoa, ela foi (como muitas mulheres da sua geração e classe social) prendada. Mas não é que ela sabia costurar e ponto: ela desenhava; pintava na porcelana; costurou os vestidos, as bolsas e chapéus que minha mãe usou em bailes; tricotava; bordava; confeitava; cozinhava. Fazia tudo isso, mas não podia ganhar dinheiro por seu trabalho. Logo a realização sempre foi parcial, penso eu. A Logo do Atelier foi criada em cima de sua caligrafia. As cores e a ideia do Atelier se fortaleceu sempre sob esta influência de amor, dedicação e – principalmente – da qualidade.”

“Agora que você conheceu um pouco da minha história, aproveite para conhecer também minha loja! Adorarei sua visita por lá!”

Nutricionista de profissão e crafter de coração. Mãe da princesa Maria Alice. É boa de garfo, ama música e não resiste a um garimpo de decor. Cria os acessórios da Flor de Cris e da A Decoradeira. Sempre indecisa, na dúvida acaba levando os dois.

Veja mais posts deste autor.

6 comentários

  1. FANTÁSTICA SUA HISTÓRIA ´´VÓ JOAQUINA´´….. UMA PEQUENA PARTE JÁ ME IDENTIFICO… COMECEI EM UMA ÁREA QUE JAMAIS ACHEI QUE TINHA DOM…. MDF… MAS SE OLHAR PARA TRAZ VOU VER QUE DEUS JÁ ME PREPARAVA PARA ONDE ESTOU…. QUEM SABE CHEGO ONDE VOCÊ ESTÁ… E SE EU FOR FAZER REFERÊNCIA A UMA AVÓ…. MATERNA TAMBÉM ..FARIA A MINHA VÓ DINHA… QUE ERA CROCHETEIRA DE MÃO CHEIA..PARABÉNS E MUITO SUCESSO MELINA GOMES..SHOWWWWW..

  2. Obrigada – Eli de Oliveira – pela sua pronta resposta. As mulheres de nossas vidas podem ser fonte de inspiração. Eu ainda estou trilhando um caminho, como você. O que você faz? Melina

  3. adriana de Paula Almeida Rosa.

    Parabéns!!!!

  4. Adorei sua história Melina! Interessante, tocante e inspiradora. Seus trabalhos são lindos e de muita qualidade!
    Parabéns e continue com muito sucesso! Bjs

    • Fúlvia, obrigada pelo retorno. Já que és cliente, podes dizer por experiência! Trilhar o caminho com a parceria de clientes como você facilita. Foi ótimo poder contar! Forte abraço, Melina

  5. Obrigada ao site Elo 7 – via Cris Oliveira!! Mais uma experiência valiosa. Melina Gomes