Home | Negócio Criativo | Desenvolva seu Negócio | Cobrar de forma empreendedora (parte I)

Cobrar de forma empreendedora (parte I)

fotolia

Se você trabalha muito e não vê a cor do dinheiro, ou se tem muitas dúvidas se está cobrando o valor justo por seus produtos, chegou a hora de se planejar e começar a cobrar de forma empreendedora.

Vou te ensinar uma forma de calcular o quanto cobrar por seu trabalho e suas peças, que vai fazer com que tenha certeza do quanto está gastando e ganhando, e possa planejar o crescimento do seu negócio criativo. Para começar, vamos pensar na composição do preço do seu produto como se fosse uma receita de bolo. São quatro os ingredientes principais da nossa receita de preço:

DESPESAS FIXAS: nesse item entram as contas fixas do mês, ou seja, tudo o que você precisa pagar mensalmente mesmo que não venda uma única peça, como internet, MEI, gasolina, manutenção de máquinas, seu salário mensal etc.

DESPESAS VARIÁVEIS: aqui entram as porcentagens de cartão de crédito, Elo7, comissões de vendedores, impostos, etc. Se você vende somente por sua loja no Elo7, é só informar 12% nesse item.

LUCRO DA EMPRESA: a gente costuma pensar que o lucro é o quanto a gente vai ganhar, mas na verdade, o lucro serve para fazer a empresa crescer, através de: ações de divulgação mais efetivas, participação em feiras e bazares importantes, descontos em materiais, cursos de especialização etc. Tudo isso tem o intuito de melhorar sua empresa e fazê-la crescer, e se você não tiver um valor previsto para isso, vai parar no tempo e acabar perdendo vendas. O Sebrae indica que uma empresa que está saudável financeiramente tem em média 10% de lucro.

O lucro não é seu porque você já vai ganhar de duas formas: Pelo pró-labore, que é o salário que você precisa ter para pensar em novos produtos, tirar fotos, divulgar, embalar o produto e despachá-lo no Correios etc. Nada disso é produção e você precisa ganhar por isso (mesmo que seja bem pouquinho de início).

CUSTO DO PRODUTO: nesse último item está o que a sua empresa paga no material usado para cada produto e também a mão-de-obra necessária. Pense sempre em quanto a empresa vai pagar de mão-de-obra, pois se um dia você crescer e precisar de ajudantes na produção, não vai precisar aumentar o preço do seu produto. Esse é o item que mais gera dúvidas, pois geralmente os artesãos estão acostumados a pensar apenas em quanto vale o tempo de produção e esquecem do tempo despendido com especializações, criação de novos produtos, tirar as fotos etc.

Se você colocar o valor de tudo isso na mão-de-obra, seu produto vai ficar caríssimo! E se não colocar como salário, lá nas despesas fixas, vai estar trabalhando de graça! Portanto, muita atenção aqui: o seu pró-labore estará ligado ao seu faturamento e a sua mão-de-obra deve conter apenas o valor da produção.

Observação 1: ao criar uma planilha com essas informações você terá uma visão MENSAL de tudo o que entra e o que sai de dinheiro na sua empresa.

Observação 2: As despesas variáveis e o lucro já estão em porcentagem. O próximo passo é transformar o total em reais (R$) das Despesas Fixas também em porcentagem através do faturamento.

Voltando para a receita de bolo, agora que já temos os quatro itens principais da receita, precisamos fazer esse bolo crescer! Cadê o fermento? No nosso cálculo de preço, o fermento é o FATURAMENTO. Faturamento é quanto você vende por mês. Podemos usar para esse cálculo a MÉDIA ou a META de faturamento. A média de faturamento é feita com no mínimo 3 meses de vendas, mas pode ser feita com 6 ou 12 meses também. Se faz da seguinte forma: some o quanto você faturou nos últimos 3 meses. Agora, divida o resultado por 3. O total é sua média de faturamento mensal. Exemplo:

TOTAL DE VENDAS:

–  JANEIRO = R$ 1.080,00
–  FEVEREIRO = R$ 1.900,00
–  MARÇO = R$ 1.560,00

TOTAL DE VENDAS NOS 3 meses = R$ 4.540,00
R$ 4.540,00 dividido por 3 meses = R$ 1.513,33

MÉDIA de faturamento mensal = R$ 1.513,00

A META de faturamento pode ser estipulada com base no total das Despesas Fixas.

E aí, gostou das dicas para cobrar de forma empreendedora? No próximo post continuaremos esse assunto, desta vez com dicas sobre como planejar o aumento do seu faturamento!

Até a próxima.
Joana Ludwig

É Coach de Carreira para desenvolvimento de pessoas e negócios criativos, e compartilha conteúdos através do seu site Joludwig. Acredita que todos estamos conectados e que compartilhar nossas experiências faz parte do ciclo da vida.

Veja mais posts deste autor.

19 comentários

  1. Oi Jo!
    Adoro você e adoro seu trabalho! Obrigada por tanta ajuda!
    Sabe que eu já tentei coloquei tudo em uma planilha (acho que peguei com você inclusive!), mas, no meu caso, vira algo impraticável. Explico: trabalho com croche e trico, e, para fazer apenas 1 par de sapatinho para um recém nascido, gasta-se várias horas (tipo 2 dias de trabalho).
    Como fazer nesses casos? Existe alguma solução? O gasto com o material é pequeno, o que pega é o tempo para produzir cada peça.
    Bom, desde já agradeço sua ajuda! Sempre!
    Beijos e uma linda semana,
    Cris

    • Cida Micheline

      Oi Cristina!!!! Onde consigo uma cópia desta planilha?
      Bjs.

    • Olá, Cristina!
      Sabe, quando eu tinha minha loja Banana Cazza, eu fazia as peças de crochê e tinha mais 3 pessoas me ajudando também. Eu era muito rápida porque ficava quase 24h por dia crochetando! rs Dai, o que eu levava 2h para fazer, as outras meninas levavam 6 horas. Então, como pensar no valor da mão-de-obra, né? Não seria justo pensar no valor apenas de 2 horas, mas também não seria justo pensar em 6 horas, já que eu sabia que dava pra fazer as peças em menos tempo.
      A solução então, foi: ao invés de pensar no tempo de produção, e pensava no valor de cada peça. Um exemplo: ao invés de pagar 6 horas de confecção de uma capa de crochê, eu pensava em “pagar” R$ 35,00 por peça, pensando que a almofada tinha a parte da frente em crochê e a parte de trás em tecido. Então, só a parte de crochê, eu pagava R$ 35,00.
      Mesmo quando eu mesma fazia, esse valor era de R$ 35,00 (só pela peça em crochê, sem pensar no material, nem na mão-de-obra da parte de tecido).
      E o legal desse método de se calcular o preço de venda é que se você tem muita dúvida, pode ir testando os valores. Por exemplo, coloque R$ 5,00 de mão-de-obra por sapatinho de crochê e veja quanto ficou seu preço de venda (de acordo com o índice. Lembre que ainda temos o segundo post sobre o assunto). Depois, coloque R$ 10,00 e veja quanto ficou.
      E lembre que a gente pode trabalhar com METAS de faturamento. Ou seja, se hoje você vende R$ 1.000,00 por mês, pode ser que perceba que para ter um preço bacana para você e para o mercado, você tenha que vender R$ 3.000,00. O preço de venda está intimamente ligado com o quanto você informa no faturamento…
      Bem, como eu disse, ainda temos o segundo post e pode ser que as coisas fiquem mais claras! ;-)
      Ah, e lembre-se: a primeira a se valorizar deve ser você mesma! Acredite que o que você faz tem preço, e o que você sente, o amor, a alegria, o talento que você coloca no seu produto, tem valor!
      Bjs.
      Jo

      • Adorei as dicas! Venho pensando sempre em como aperfeiçoar meu trabalho, e cobrar um valor justo faz parte disso também, não é mesmo?!
        Já estou ansiosa pelo próximo post!
        Muito obrigada pela ajuda e pela atenção!
        Beijos,
        Cris
        Obs. Me desculpe ter colocado o endereço do seu blog no outro comentário…não sei se tudo bem…se quiser apagar, fique à vontade, tá?! Bjs

  2. oi gostei das informações, mas com artesanato todos acham tudo caro,
    eu sempre estou tentando ser justa e ganhar um tiquinho , mas tb acho pouco
    pelo trabalho. Pois tenho que ter muito estoque …

    • Olá, Herta!
      Pense que vivemos num mundo milenar em que todos acreditam que o dinheiro tem que vir do suor do seu rosto. Só que, quanto mais o tempo passa, mais pessoas estão percebendo que quanto mais amor colocamos em nosso trabalho, quanto mais prazer sentimos em nosso trabalho, mais valor ele tem.
      Não pense em ganhar um tiquinho! Pense em ganhar o valor justo pelo seu trabalho. Qual é o valor do seu melhor?
      O primeiro passo é que você mesma se valorize. Você merece! =D
      O segundo passo é começar a encarar o seu artesanato como negócio, mesmo que seja um “negócio do coração”! E com esse método para calcular o preço de venda do seu artesanato, você consegue entender exatamente o quanto está saindo e o quanto está entrando financeiramente na sua empresa.
      Sim! Você tem uma empresa! Mesmo sendo uma “empresa de uma pessoa só”! <3
      Pense nisso…
      E acompanhe o segundo post da série, ta!
      Bjs
      Jo

  3. Olá! super obrigada pela dicas , mas não ficou claro a parte de transformar alguns passos em percentuais, como tiro esse percentual, vcs vão disponibilizar uma formula, planilha ? algo assim?
    Obrigada,
    Paola

    • Olá, Paola!
      Existe sim uma planilha para esse cálculo. Aqui estou ensinando todos os conceitos do cálculo para composição de preço, voltado para a nossa realidade do artesanato.
      Em junho vou dar esse curso no Eduk e por lá vamos disponibilizar a planilha.
      Bjs.
      Jo

  4. Cida Micheline

    Oi gente! Estou sempre acompanhando as dicas, preciosas!!!!
    A Cristina falou em um planilha, gostei… onde posso conseguir uma cópia?

    • Olá, Cida!
      Essa planilha foi disponibilizada o ano passado por mim, em meu blog. Agora, nós a reeditamos e vamos disponibilizá-la no curso de precificação que vou dar no Eduk no final de junho.
      Bjs.
      Jo

  5. Oi meninas! Eu realmente peguei a planilha no blog da Jo (e, como não foi feita por mim, não posso mandar para vocês, sorry!). O endereço do blog dela: http://www.joludwig.com.br/
    Espero ter ajudado…

  6. Dicas maravilhosas, obrigada Jô!

  7. Olá! preciso do link onde tem a tag para acompanhar o produto, alguém me informa?
    Obs.: redonda com dizeres “Você comprou um produto……” e junto tem o formulário para pedido em duas vias. Também havia deixado uma opinião sobre esta tag, acho que não deveria ter a palavra “comprou” mas sim a palavra “recebeu” pois poderá ser um presente, então fica desagradável a pessoa receber assim! E também preciso da tag como complemento de minha marca!
    Obrigada gente!!! Boas vendas!!!

  8. Também gostaria de comentar sobre o comportamento de alguns vendedores…
    Já li diversas vezes aqui, sobre a educação e delicadeza no trato com clientes, que por sinal nem precisaria ocupar este espaço com um assunto tão obvio, mas bem….. Infelizmente ao fechar um pedido,eu tenho a necessidade de fazer as perguntas que acho necessárias para ter a certeza de que receberei o produto poderei encerrar o assunto. Mas a “paciência” se é que posso chamar assim, já acaba na primeira pergunta, então como o produto já foi pago, parece que o vendedor está fazendo uma caridade em responder com educação e de maneira clara com boa vontade….. Ao fazer pegunta como: (é possível fazer em tal cor?) Recebi resposta como: (conforme já foi dito anteriormente por x vezes) ou (se tinha alterações á fazer poderia ter escolhido um modelo compatível, tal tal tal) e dai pra pior.
    Só quero ver na hora da avaliação…. a pessoa se debate, fica louca, minimiza o sentimento do cliente e nada aprende com a situação!
    Beijos á todos voa vendas!

  9. Infelizmente, não encontrei a planilha…..

  10. Vitrine Macramé

    Oi meninas! Alguém pode me indicar um fornecedor legal para saquinhos refinados para embalar bijus?