Home | Gente que Inspira | Entrevista | A Terapia Ocupacional e a cerâmica como paixões

A Terapia Ocupacional e a cerâmica como paixões

marcelle_dionisi

Olá, gente criativa! Meu nome é Marcelle, sou nascida e criada em São Paulo. Minha história com trabalhos manuais começou quando eu ainda era criança. Minha mãe me levava em vários cursos e aos poucos fui aprendendo um pouco de cada técnica.

Foi depois que acabei a faculdade de Terapia Ocupacional que comecei a participar de feiras e bazares e montei a minha loja no Elo7, fazia encadernação artesanal, chaveiros de feltro, fuxico e outras coisas.

Hoje minha marca leva o meu nome. Antes de Marcelle Dionisi já fui Aile de Papillon, Papillon e Tafetá, mudei de logo e cartões de visita muitas vezes em poucos anos até que me encontrei na cerâmica.

 marcelle_dionisi2

No começo do ano passado, percebi que conhecia uma infinidade de técnicas, fazia tudo, mas ao mesmo tempo não fazia nada com profundidade. Foi neste momento que decidi focar na cerâmica. Juntei todo o material de artesanato que tinha adquirido ao longo da vida (e quem faz artesanato sabe que não é pouca coisa), escolhi aqueles que poderiam ser aplicados na cerâmica e me desfiz de uma boa parte do restante. Penso que as minhas peças tem influência dessas outras técnicas que conheci ao longo da vida.

Por alguns anos a cerâmica era algo que fazia para mim, não dava e nem vendia as peças, confesso que tinha até um “ciuminho” delas! O envolvimento no processo de criação da cerâmica é muito intenso, repleto de sentidos e significações. Fazer cerâmica é aprender (às vezes na marra) a respeitar o tempo natural das coisas, a lidar com o imprevisível, com as frustrações. Fazer cerâmica é aprender a procurar um silêncio dentro de si, aquietar-se.

 marcelle_dionisi3

Hoje, todo o processo de produção é feito por mim, desde a compra de materiais, a formulação de esmaltes, as queimas, a divulgação na internet e a venda em feiras. É um processo lento, as peças são feitas a partir da argila no torno elétrico ou modeladas manualmente com as técnicas de beliscão, cobrinha, ocagem ou placa. Em seguida são secas lentamente para não deformarem ou trincarem. Depois são queimadas em forno elétrico até uma temperatura de 900ºC, neste ponto são chamadas de ‘biscoito’ (hummm!). São esmaltadas e novamente vão para o forno, mas desta vez até 1280ºC. Cada queima leva aproximadamente 8 horas para ser concluída. Somente quando o forno estiver frio podemos abrir para ver o resultado das peças, isto acontece no dia seguinte à queima.

 marcelle_dionisi4

A parte mais gostosa é quando abrimos o forno e podemos ver o resultado de todo o processo concretizado. Quando a cerâmica sai do forno faz um tilintar lindo. Às vezes tenho surpresas boas, como efeitos de cores inesperados, às vezes os resultados podem não ser o esperado como uma peça que entortou. Mas tudo é aprendizado!!!

marcelle_dionisi5

Percebo que cada vez mais a cerâmica está ganhando espaço na minha vida, mas ainda é uma fonte complementar na renda. Um futuro ideal seria aquele que eu consiga unir a minha paixão pela cerâmica com a paixão que também sinto pela minha profissão.

Enfim, a cerâmica é um aprendizado para a vida inteira e sei que estou apenas no começo desta trajetória. Quero aprender muito mais sobre a formulação de esmaltes e outras formas de queima.

Agora que você já conhece um pouquinho de mim e do meu trabalho, dê um pulo na minha loja!

Um beijo,

Marcelle

bool(false)

Sobre Elo7

Somos um time que é apaixonado por tudo que é criativo e feito à mão. Aqui no blog, trazemos dicas diárias para inspirar e ajudar no seu negócio criativo! Também organizamos oficinas e encontros em todo o Brasil. Conheça o Elo7!

Veja mais posts deste autor.