Home | Gente que Inspira | Entrevista | Elosetter em destaque: Mimo Patchwork

Elosetter em destaque: Mimo Patchwork

A aparente vida bucólica de Mariana Abdala esconde uma mulher empreendedora e multitarefas: além da casa e família, ela tem loja no Elo7 Mimo Patchwork e uma lojinha física onde comercializa artesanato local no interior de São Paulo! Conheça!

*****

Conte um pouco sobre você e a origem da Mimo Patchwork
Eu sou sol e lua em Libra, signo da Estética e da Beleza, e se isso se não tem influência, é muita coincidência! Sempre busquei coisas relacionadas a isso. Me formei em História para trabalhar em museus e exposições de arte. Também fui maquiadora, dançarina e gerente de pousada. Daí, quando tive meu filho, lembrei da máquina de costura da minha avó, minha herança dela. Uma amiga me ensinou a costurar e eu comecei a fazer patchwork. Desde então venho me descobrindo neste mundo tão apaixonante. Minha especialidade é decoração (libriana que cresceu rodeada de revistas de decoração por influência materna) e receber com charme, onde faço jogos de mesa, aventais, luvas de forno entre outros itens dentro do homewear.

Você se dedica apenas ao seu negócio criativo?
Além da minha marca com loja virtual no Elo7, sou proprietária de uma loja de arte e artesanato na linda cidade onde moro: São Bento do Sapucaí – SP (onde fica a Pedra do Baú), em plena Serra da Mantiqueira. Tanto a loja quanto a marca são negócios criativos e ser dona de 2 negócios assim merece muito jogo de cintura. As coisas estão sempre mudando e temos que nos adaptar a cada dia, fazer várias pequenas coisas todos os dias para que nossas ações caminhem junto com o crescimento do negócio.

É como passear com um cachorro filhote. Quando a ideia é boa, é bem feita e tem amor, o negócio vai! Aí temos que segurar a coleira bem forte às vezes e em outras deixar o cachorro nos levar. É exaustivo, mas também, as compensações não têm preço!

Qual foi o seu maior desafio? O seu maior arrependimento e a sua maior conquista?
Meu maior desafio é me organizar. Não que não consiga, mas as coisas são muito dinâmicas e o tempo todo uma nova organização é solicitada. Outro é ser menos ansiosa e saber que as coisas levam um tempo para acontecer, para ficarem prontas, ou para surtirem efeito. Imediatista, sou eu. O trabalho manual é a melhor ferramenta para trabalhar este meu lado. Não poderia ter arrumado trabalho melhor!

Ainda não tive nenhum arrependimento. Talvez preferir dormir em alguma madrugada em que deveria estar trabalhando. E minha maior conquista até agora foi ter saído na revista Make, em abril deste ano. Com a loja e com a marca!

Quais são as suas estratégias de marketing e divulgação?
Ultimamente tenho dado muita importância às fotos. Tento montar um cenário, usar minha criatividade não só no produto, mais em tudo que o rodeia. Fazer menos postagens no blog,  mas com mais conteúdo. A mesma coisa para as redes sociais. Não adianta ficar enchendo os clientes de coisas sem planejamento. Como eu ouvi esses dias na TV, “não dá para ser manchete o tempo todo”. Mas quando você for, que seja marcante. Estou caminhando para a confecção de um vídeo de divulgação do meu trabalho de do meu “estilo de vida” no interior.

De onde você tira inspiração para criar?
Justamente, é desse estilo de vida que vem minha inspiração. Estava lendo uma revista de decoração esses dias e tinha um caderno da revista chamado “Deleite”. Era sobre as delícias de cuidar da casa, do jardim e cozinhar, ou receber amigos… algo assim. Olhei aquilo e pensei: Sou eu! Tenho horta, jardim, muitas flores, passarinho que vem comer alpiste no meu quintal, gato, cachorro, montanhas ao meu redor e ar limpo. Uma bicicleta e… pouco tempo (risos). Vem das cores do céu, da luz refletida nas montanhas, sou quase uma Impressionista! Claro, também me inspiro em livros e revistas de decoração. Tudo isso aliado a muita pesquisa!

Qual das suas criações é mais aceita pelos clientes a que fato se deve o sucesso dela?
Acho que é a casinha. Acho que o sucesso se deve a ela ser um item “fofo”, colorido, alegre e que veio lá de dentro. Eu tinha visto uma dessa, parecida em uma loja. Cheguei em casa e fui tentar reproduzir a minha casinha. Fiz os moldes, tudo! Elas são sempre diferentes, e trabalho nela minhas novas técnicas. Os aventais são outra coisa. Os clientes dizem que meu diferencial é a forma com que combino as estampas. E realmente, sou apaixonada por esse jogo.

Em São Bento há uma cultura forte de artesanato?
A cidade de São Bento tem uma forte agricultura de banana e por isso, o artesanato com a fibra de banana é muito forte. Temos alguns homens entalhando madeira e a cidade está se transformando numa referência em mosaico, principalmente entre os jovens. Na loja física tenho 80% de produtos da cidade, entre eles aromaterapia, fibra de banana, mosaico, crochê, cerâmica, marchetaria, e incríveis iguarias como: doces de leite, trufas de colher, mel, cachaça, licores e até Ghee (manteiga clarificada indiana).

Tudo feito aqui na cidade. O legal é a fusão do local com as pessoas que vieram morar aqui. Todo mundo tenta ficar separando o que é “daqui” com o que é “de fora” mas o mais bonito e tentar enxergar onde elas se misturaram… a loja representa bem esse mix!

Qual conselho daria para alguém que está começando agora a vender suas criações online?
O primeiro conselho é tentar achar sua linha. O que tem mais a ver com você, uma identidade. Acho que não estaria dando certo se eu fizesse um pouco de tudo, ou fizesse um produto “só porque vende bem”. Outro conselho é tentar diagnosticar os problemas sempre, e eles normalmente estão na gente. É fácil colocar a culpa nas coisas em volta. Eu aprendo cada dia mais e acho que terei sempre que aprender a melhorar. Perseverança é muito importante, porque um negócio próprio, ainda nesse nosso ramo, leva algum tempo. E eu mais que qualquer pessoa sei como é esperar as coisas acontecerem. Mas esperar de braços cruzados jamais!

Quais são os planos para o futuro da sua loja?
Meu plano é me tornar uma referência em decoração com tecido e essa coisa de “receber com charme”. Tem coisa melhor do que receber os amigos com uma linda mesa? Cozinhar com um lindo avental, ter a sala decorada com uma almofada demais? Outro plano é crescer para poder aumentar o número de pessoas que trabalham comigo. Dar oportunidade de entrar nesse mundo, de ser remunerada por isso. O que eu quero mesmo é ser uma mola para essa bola de neve do bem!

Cite até 3 artesãos do Elo7 que você é fã!
Toda vez que abro a janela do Elo7 para entrar na minha loja tenho uma surpresa diferente, por isso, ainda to descobrindo os artesãos. Até agora me chamaram a atenção a Cuteshop, pela delicadeza das peças e originalidade. Não sou muito daquela coisa de modinha sabe… A Ju Padilha também adoro. As tiaras dela são cheias de identidade! A Pedaços de Minas, que ainda quero trazer para a minha loja, pois tem a mesma cara!

Gostou? Conheça mais da Mimo Patchwork!
Loja no Elo7
Blog
Flickr
Facebook

bool(false)
Professora de costura e fã dos artesãos que fazem parte desta comunidade incrível de criativos. Compartilha o amor por costurices em seu blog, A Costureirinha. Não resiste a um ronrom e é viciada em aviamentos e tecidos coloridos.

Veja mais posts deste autor.

4 comentários

  1. Linda entrevista !!! Quando eu crescer … quero ser assim !!! rsrsrsrsrr
    Bete Santos

  2. Gostaria de agradecer a equipe Elo7 por essa oportunidade de mostrar o que se passa nos bastidores do trabalho artesanal. As pessoas acham que vivemos num mar de rosas por trabalhar com algo manual e “terapeutico”, mas viver deste trabalho é algo muito maior, mais complexo e ainda desvalorizado no nosso país. São ações como esta que ajudam a mudar. Muito já está mudando e vai ficar ainda melhor! Se não é um mar de rosas, é uma água bem gostosa de nadar…

  3. Gostaria de agradecer a equipe Elo7 por essa oportunidade de mostrar o que se passa nos bastidores do trabalho artesanal. As pessoas acham que vivemos num mar de rosas por trabalhar com algo manual e “terapeutico”, mas viver deste trabalho é algo muito maior, mais complexo e ainda desvalorizado no nosso país. São ações como esta que ajudam a mudar. Muito já está mudando e vai ficar ainda melhor! Se não é um mar de rosas, é uma água bem gostosa de nadar…

  4. Gostaria de agradecer a equipe Elo7 por essa oportunidade de mostrar o que se passa nos bastidores do trabalho artesanal. As pessoas acham que vivemos num mar de rosas por trabalhar com algo manual e “terapeutico”, mas viver deste trabalho é algo muito maior, mais complexo e ainda desvalorizado no nosso país. São ações como esta que ajudam a mudar. Muito já está mudando e vai ficar ainda melhor! Se não é um mar de rosas, é uma água bem gostosa de nadar…