Home | Negócio Criativo | A valorização do artesanato começa em você

A valorização do artesanato começa em você

CR_007

Quase todos os dias, recebo questionamentos e dúvidas sobre valorização e precificação do artesanato.  Frases como: “O cliente acha caro meu artesanato.” ou “Como faço para valorizar meu trabalho? “ e a clássica “Gostaria de viver somente do artesanato, mas não consigo, pois ganho muito pouco”, são comuns em minha caixa de e-mail, em  comentários na página de fãs, grupos de artesanato e nos meus cursos.

Quando penso que cada trabalho de artesanato é uma peça única, onde o profissional criativo imprime suas características, produz emoções, expressa sentimentos e materializa ideias de forma individualizada, questiono: “Alguma coisa está errada, deveria ser ao contrário, cada peça de artesanato tem um valor inestimável, pois ela é exclusiva”. Qual o por que, então, do artesanato não ser valorizado?

Basicamente, percebo que existe uma espécie de preconceito que, muitas vezes, começa no próprio artesão. É comum ouvir profissionais referindo-se ao seu produto como minhas “pecinhas” ou meus “trabalhinhos”. Ora, se o próprio criador  desvaloriza a peça, chamando de “trabalhinho”, imagine o consumidor…

 Qualidade do trabalho e Capacitação do Artesão

Um primeiro ponto fundamental na valorização do artesanato, é a qualidade do trabalho e a capacitação do profissional.

Sem capacitação, sem profissionalismo, não existe valorização. Talvez, você diga: “Eder e quem está começando, que não pode comprar DVD´s ou cursos?” Eu acredito que a internet democratiza o acesso a informação, levando o conhecimento a todas as pessoas. Se não pode investir em cursos pagos, comece pelo conteúdo gratuito disponibilizado na internet. Para isso você só precisa de VONTADE! E quando for possível, faça investimentos financeiros em sua capacitação, mas nunca – eu disse NUNCA! – deixe de se atualizar e de se capacitar.

Preço x Valor

Agora, vamos refletir sobre a questão de Preço e Valor

Primeiramente, é preciso saber que existe uma enorme diferença:

  • Preço: é o que a pessoa entrega (dinheiro)
  • Valor: é o que a pessoa recebe (percepção)

Quando, o preço é maior que o valor o sentimento gerado será “está caro”. Quando o valor é maior que o preço o sentimento será “está barato”.

Veja um exemplo, bem simples, para entender esse conceito: Uma tarde no cabeleireiro…

O que a pessoa entrega (preço): R$ 150,00

O que a pessoa recebe (valor): Autoestima, beleza, elogio de amigos etc.

Percebe?  Nesse exemplo, o valor (o que a pessoa recebeu) é maior que o preço (o que a pessoa pagou). Por isso, “não choram” para entregar os R$ 150,00 ou mais, por algumas horinhas no salão e “choram“ para pagar R$ 80,00 na peça artesanal que levou 3 dias para ser criada.

Para você saber qual o valor o cliente está percebendo em seu trabalho artesanal, é necessário conhecer suas necessidades ou seus desejos (veja esse post).

Vamos a outro exemplo:

Imagine, um profissional que trabalhe com encadernações artísticas e uma das peças de seu portfólio seja “Agenda”.

De um outro lado, temos o consumidor que está procurando uma agenda…

Se, esse consumidor, quer um “caderno para fazer anotações” (essa é a sua necessidade), vai achar caro o preço de R$ 80,00 (o que ele entrega), pois o seu valor percebido para uma agenda é “apenas um local para anotar coisa” (o que ele recebe).

Não adianta tentar vender a agenda artesanal para ele… Ele vai comprar aquela agenda da papelaria/livraria por R$ 20,00.

Agora, se esse consumidor quer mostrar para amigos o seu gosto requintado nas suas coisas pessoais (esse é o valor) ou ter um local onde irá registrar momentos especiais e únicos (valor), achará razoável e até mesmo barato o preço de R$ 80,00, pois a agenda da papelaria não irá suprir esse seu desejo.

Essa é a chave:

Entenda a necessidade/desejo de seu público e você terá clientes satisfeitos e que valorizam seu trabalho.

Todo o artesão deve compreender que a valorização começa em cada profissional, em cada atitude e forma de encarar o trabalho. Também, é fundamental buscar a capacitação e a qualificação constante e, finalmente, saber que toda a vez que ouvir “está caro”, não deve baixar o preço e sim, aumentar o valor percebido de sua peça.

E você? O que pensa sobre a valorização do artesanato? O que você faz para valorizar seu trabalho? Comente abaixo com sua opinião.

bool(false)
Eder Machado empreendedor digital, idealizador do ArtesCON e criador do blog Como Vender Artesanato. Seu blog e cursos têm ajudado vários criativos e artesãos a desenvolverem um negócio rentável através das artes manuais.

Veja mais posts deste autor.

14 comentários

  1. Amei o post, Eder! Trabalho todos os dias na valorização do meu artesanato. Uma maneira pessoal que encontrei, foi utilizar as redes sociais para mostrar o passo a passo de um peça, os detalhes que este processo envolve, já que algumas pessoas pensam que fazer artesanato é fácil e custa caro.

  2. Lis Maria Marino Gonçalves

    Quando faço uma peça coloco nela tudo que envolveu a minha criatividade, todas as emoções, sentimentos e sempre procuro me colocar no lugar do comprador: será que eu compraria? Se eu fosse comprar, eu acharia caro? Prá dar um exemplo de valor, eu vendi um produto para outro estado, que levou 21 dias prá chegar cujo preço era 60% menor do que o frete.
    Um grande abraço!

    Lis

  3. Eder, admiro seu trabalho e a preocupação em constantemente alertar os artesãos, de forma geral, sobre a valorização do produtos que confeccionam. Concordo com a maioria das suas colocações, mas há uma que me instiga e me causa questionamentos e dúvidas. Quando colocamos o passo a passo de uma produção nossa, seja um item totalmente desenvolvido por nós, seja adaptado com a utilização de moldes colocados na internet ou constantes das revistas especializadas, seja inspirado por visualizações na internet, não corremos o risco de ver reproduzido ou copiado (e por vezes sem a qualidade mínima) o trabalho que desenvolvemos?
    Obrigada pela dicas que sempre nos disponibiliza. Abraços,

    Ligia

    • Oi Ligia! Tudo bem?

      Legal que você acompanha e gosta do meu trabalho…

      Sobre sua pergunta, a resposta é SIM, você corre o risco de ser copiado…

      Porém, gostaria que você refletisse sobre uma resposta que dei no meu grupo sobre essa questão.
      Reproduzo abaixo:
      ________

      Pense no seu artista musical preferido…pensou?

      Tenho certeza que ele tem seus CD´s pirateado. Mas, por causa disso ele deixou de gravar? imagine se ele dissesse: “Não vou gravar mais pq estão pirateando meus CD´s ou pq vão plagiar minha música”.

      Não seria um desperdício? privar você e tantas pessoas das musicas que gosta e de um grande talento…

      Aliás, não teríamos mais musicas para escutar, pois todos são pirateados/copiados…

      Quando não produzimos um material por medo de pirataria ou cópia estamos agindo exatamente como o pensamento: “Não vou gravar pois vão me piratear”…

      Isso vale para todos os produtos que são plagiados, copiados e pirateados…

      – A Apple deixou de fazer o “iphone” por causa do “Hiphone”(uma cópia de R$ 99,00)? não…
      – O Windows deixou de existir pq seu sistema operacional é pirateado? não…
      – A Nike quebrou, pq um monte fabricantes usa sua logomarca de forma ilegal?não..
      – A indústria do cinema deixou de existir, pq é possível assistir filmes gratuitamente na internet? não…
      – E tantos outros exemplos…

      Na verdade, todos eles tiram proveito disso e CADA VEZ CRESCEM MAIS…

      Não existe como evitar a cópia ou o plágio, mas isso não deve ser um empecilho para você.

      Lembre-se: só é copiado quem está na frente…

  4. Eder, sou fã e seguidora assídua do seu trabalho… :) concordo com tudo que você escreveu e sou prova de que a valorização começa com o artesão… depois que comecei a seguir suas dicas, minha vida de artesã deu um boom impressionante… dicas simples, mas que precisam ser colocadas em prática para ver o resultado… ;) tenho certeza que a valorização do artesanato está cada dia mais próxima e já é uma realizada para muitos artesãos… adorei o artigo… abraços, Cris Ramos

  5. Excelente postagem! Muito obrigada!

  6. Adorei! É isso mesmo! Tem que começar pelo artesão a valorizar o seu trabalho. E sempre buscar se aperfeiçoar cada vez mais naquilo que faz. Um abraço.

  7. Eder, concordo com tudo isso .Se minha cabeça não esta focada em satisfação do que faço, em não ser influenciada com todas as cópias , não tenho um bom desempenho no que estou fazendo no momento.
    Engraçado , como pensamos em cópias . Já fiz muitos produtos que pensei estar criando e , depois de algum tempo , vi minha ideia estar por aí . Nem eu copiei , nem a outra pessoa .

    É que , as vezes , criamos um produto simples e que outras pessoas podem cria-lo .
    Penso que temos que olhar muitas sugestões para criarmos algo especial , simples ou requintados, porém único .
    Ou tentarmos .

  8. Suely Marreiro Barberi

    Percebi que no ultimo bazar que participei, as peças mais elaboradas e de melhor qualidade venderam mais. As pessoas pagam pela qualidade do produto. Vale a pena investir; Obrigada. Bjs…

  9. Cilene Zampronio Felipe Antonio

    Obrigada, Eder, por mais esse artigo! Sigo seu trabalho e estou pondo em prática suas dicas. A valorização do artesanato começa com a própria valorização do artesão. Eu mesma fiz venda diminuindo o preço porque o cliente queria desconto e me senti frustrada por muito tempo! Eu permiti essa desvalorização e agora me sinto mais segura para oferecer meus produtos com o valor adequado.

  10. Olá Eder, Sou fã do seu trabalho, e adoro suas dicas e conselhos, o artesanato já faz parte da minha vida, e busco uma realização no meu trabalho em cada peça produzida. muitas vezes me senti frustrada pela falta de valorização. Hoje procuro trabalhar com o que tem de melhor, um bom acabamento, criatividade, e um bom relacionamento com o cliente. Assim, tenho mais facilidade de calcular o custo de cada produto. Obrigada

  11. Moviol Décor

    Ótimo texto, Eder! Obrigada!

  12. A LEI DE ORDEM É…. LER… APRENDER….. SEMPRE APRENDIZ… TALVEZ DE FEITICEIRO… NESTE MUNDO DOS NEGÓCIOS… KKKK…
    OBRIGADA EDER POR ESTES POSTS TÃO BEM ELABORADOS… POIS CONCORDO COM TUDO O QUE DISSE É O QUE TENTO PASSAR AOS ARTESÃOS QUE CHEGAM ATÉ MIM…
    OBRIGADA DE CORAÇÃO..
    BOM EM RELAÇÃO ÀS SUAS PERGUNTAS: ´´ você? O que pensa sobre a valorização do artesanato? O que você faz para valorizar seu trabalho´´
    BOM SE EU ENTENDO QUE MINHA PROFISSÃO É SER ARTESÃ… NÃO POSSO DEIXAR QUE NINGUÉM DIGA O CONTRÁRIO.. FAÇO COM QUE RESPEITEM A MIM E AO MEU TRABALHO, CLARO DESDE QUE EU RESPEITE A VONTADE DE MEU CLIENTE… SE NÃO É CLARO NÃO TEM NEM PREÇO E NEM VALOR.. CERTO???
    EM RELAÇÃO A VALORIZAÇÃO DO ARTESANATO, COMO VC MESMO DISSE É O PRÓPRIO ARTESÃO QUE TEM QUE TORNAR ISTO REALIDADE… E PRA MIM É VER A SATISFAÇÃO DE MEUS CLIENTES OU FUTUROS CLIENTES, QUANDO PRODUZO UMA PEÇA ÚTIL, DECORATIVA E DE QUALIDADE, VEJO ISTO NÃO SÓ POR COMENTÁRIOS, MAS TAMBÉM NA PROCURA POR ORÇAMENTOS, ASSIM SINTO QUE MEU TRABALHO É VALORIZADO… E ASSIM ME SINTO UMA ARTESÃ VALORIZADA..
    E O QUE EU FAÇO PARA VALORIZAR MEU TRABALHO??… NÃO DEIXANDO CAIR A QUALIDADE… POR EXEMPLO EM TEMPOS ANTIGOS, EU OUVIA: FAZ MAIS BARATO… E EU FAZIA..SÓ QUE PRA ISTO TROQUEI O VERNIZ, CLARO ASSIM SÓ POSSO DEIXAR CAIR A QUALIDADE DE MEU TRABALHO…. AÍ COMECEI ENTENDER QUE , POR EXEMPLO PRODUZO KIT´S PARA COZINHA E BANHEIRO, E É CLARO QUE NESSES ÍTENS NÃO POSSO EM HIPÓTESE ALGUMA USAR OUTRO VERNIZ QUE NÃO SEJA A PROVA DE ÁGUA,NÃO POSSO DEIXAR CAIR A QUALIDADE DE MEU TRABALHO, ASSIM CLIENTES QUE ENTENDEM ISTO SEMPRE VÃO QUERER ESTE VERNIZ E PAGAM POR ISTO, NO MAIS ESTOU SEMPRE PESQUISANDO, VÍDEOS, SITES, CONVERSANDO COM OUTROS ARTESÃOS TENTANDO MELHORAR O DESIGNER DE NOSSAS PEÇAS… PLANILHAS DE CÁLCULO PRA NÃO PERDER O FOCO DO MEU PREÇO EM RELAÇÃO A LUCRO… SEMPRE POSTO MINHAS PEÇAS COM REFERÊNCIA A CLIENTES E LOCALIDADE, PARA QUE OS FUTUROS CLIENTES ENTENDAM QUE SOMOS IDÔNEOS, QUE PODEM CONFIAR E QUE ESTAMOS INDO LONGE, GOSTO TAMBÉM DE FAZER REFERÊNCIA A CLIENTES FIEIS, QUE SEMPRE VOLTAM, PRA MIM É UM ATESTADO DE QUALIDADE/UTILIDADE/DECORAÇÃO, E TENTAMOS DEIXAR A PERSONALIZAÇÃO POR CONTA DO CLIENTE AFINAL SOMOS FABRICANTES, CLARO DENTRO DE NOSSA CAPACIDADE.
    SEI QUE AINDA TENHO MUITO QUE APRENDER, MAS CHEGO LÁ

  13. Show Eder, explicou em palavras perfeitamente, “valor é o q a pessoa percebe”