Home | Negócio Criativo | Desenvolva seu Negócio | Como calcular o valor do produto autoral e criativo

Como calcular o valor do produto autoral e criativo

O post do dia veio da Rede Colaborativa e traz dicas para ajudar você a calcular valor do produto corretamente autoral e criativo com segurança e garantir a sustentabilidade financeira do seu empreendimento. Quem dá as dicas é a Ana Bavon, TedxSpeaker, Advogada Estrategista em Negócios, liderança e desenvolvimento Humano. Agente Interseccional pela equidade de Gênero – Fundadora da Feminaria.

É comum ter que equilibrar aspectos como valorização do próprio trabalho, expectativas de retorno e medo de perder o cliente por ter cobrado um preço alto demais. Esse desafio se torna ainda maior quando o assunto é um projeto autoral e criativo.

Afinal, a complexidade surge justamente em relação ao fato de que — além dos gastos óbvios com uma eventual matéria-prima, contratação de funcionários e aluguel de equipamentos, por exemplo — os principais fatores necessários para a criação de um trabalho autoral implicam custos intangíveis, como tempo, dedicação, originalidade e valor do produto entregue, entre outros.

Como calcular o valor do produto autoral e criativoComo calcular o valor do produto autoral e criativo: guia completo

Nesse caminho, muitas empresárias costumam se perguntar: como precificar adequadamente meu potencial criativo e o que sou capaz de entregar com ele? Por mais confuso que essa tarefa possa parecer, é importante olhar para esses valores e o processo de cobrança de um consumidor de forma objetiva, uma vez que o dinheiro recebido permitirá que seu negócio se desenvolva, cresça e seja inovador, entregando ainda mais qualidade ao cliente.

Desmistifique seu conceito sobre o lucro

Uma tendência comum, especialmente entre empreendimentos da economia criativa, é enxergar o lucro de uma forma equivocada e negativa, como se o negócio estivesse tentando “tirar vantagem do cliente”. O lucro é o objetivo de qualquer empresa, independentemente do seu porte e estágio de crescimento.

É com esse capital extra que a empreendedora poderá reinvestir em seu projeto, aperfeiçoar técnicas, inovar e desenvolver novos produtos e serviços que atenderão uma quantidade maior de clientes e impulsionarão o negócio.

Outro erro frequente é pensar que seu lucro faz parte do seu salário. É bom relembrar que o lucro de um negócio criativo pertence à empresa e deve ser aplicado para potencializá-la. Isso posto, o lucro é obtido pela diferença entre o faturamento com as vendas e os custos e seu salário é uma das despesas. Nesse contexto, para formar o preço de um produto, você precisa encontrar sua margem de lucro.

Imagine que você trabalha com instalações artísticas e cobra R$ 2 mil por projeto. Nesse exemplo, calculou que R$ 1.200 do valor é usado para cobrir gastos — materiais, transporte, horas de trabalho etc — e, de lucro, restam R$ 800.

Com base em uma fórmula simples (lucro dividido pela receita e multiplicado por 100), descobriu que sua margem de lucro é de 40%. Se achar adequado, a partir de agora, basta aplicar essa porcentagem quando for elaborar os próximos orçamentos.

A margem de lucro ideal depende muito de cada marca, seu ramo, custos, objetivos, entre outros elementos. No entanto, especialistas indicam trabalhar com um percentual igual ou maior a 20%. No fim, cada empreendedora precisa avaliar o quanto é necessário para colocar seu negócio em um patamar saudável.

Faça um levantamento de custos

Após considerar o lucro, mapeie todos os custos diretos e indiretos do seu trabalho autoral. Nesse ponto, vale a pena separar as despesas em:

  • fixas: são gastos, muitas vezes mensais, que o negócio tem independentemente do volume das vendas e produção, como aluguel, salários, internet etc;
  • variáveis: são aqueles que mudam conforme a produção e quantidade de itens vendidos. Eles podem ser: insumos, fornecedores, logística, frete etc.

O preço final de uma solução precisa cobrir seus custos de produção. Já os custos fixos podem ser diluídos em todo o mix de produtos oferecidos ao longo de um mês para que negócio não tenha prejuízo.

Use uma fórmula de precificação considerando variáveis

Uma maneira simples de saber como calcular valor do produto e planificar todos os aspectos que precisam ser levados em conta é por meio de uma fórmula que contempla os custos com diferentes variáveis. Os elementos incluídos são:

  • matéria-prima para fabricação;
  • logística de transporte e entrega, caso se aplique;
  • materiais como embalagens, etiquetas, tags etc;
  • comissão de vendedores;
  • divulgação e propaganda;
  • proporcional do custo fixo por artigo ou hora de serviço prestado;
  • impostos referentes à venda (ICMS, IPI, Simples Nacional etc);
  • margem de lucro;
  • custos com o ambiente onde a peça é exposta.

Além disso, quando falamos de um trabalho autoral, é importante considerar também a qualidade do resultado final entregue, inovação e valor da mão de obra.

Analise a concorrência

Olhar para o que sua concorrência anda fazendo não é algo errado, pelo contrário, é uma estratégia de gestão muito válida. O benchmarking é um processo no qual empresas comparam seus processos, práticas e produtos com outros competidores do ramo e usam os resultados desse levantamento para estudar melhorias no próprio negócio.

Essa iniciativa é fundamental para descobrir como calcular valor do produto. Por mais que um trabalho autoral seja único e, é importante conhecer o mercado em que você está inserida, como ele se posicionam e quanto cobram por seus serviços.

Lembre-se que o objetivo de um bom benchmarking não é copiar as ideias alheias, mas sim fazer uma investigação do que é ofertado no mercado e refletir sobre como seu negócio pode entregar mais valor e superar competidores.

Considere sua jornada profissional e diferenciais

É válido ponderar também, quando estiver avaliando como calcular valor do produto, seu perfil profissional. Dependendo do tempo que você tem de carreira e experiência, pode cobrar um valor maior, uma vez que tem condições de assumir projetos mais complexos, com mais responsabilidade e maior qualidade.

Ademais, existem peculiaridades relacionadas ao seu trabalho que pesam no valor do serviço. Temos, por exemplo:

  • atendimento: o tempo que você dedica ao atendimento e acompanhamento do consumidor também precisa ser levado em conta. Em situações em que você oferece um suporte exclusivo, cabe incluir um valor adicional e deixar isso claro para o cliente;
  • prazos: o desenvolvimento de trabalhos autorais é, muitas vezes, feito sob demanda, o que significa que existe uma negociação de prazos e entregas com o cliente. Caso o contrato exija agilidade, cobre um percentual pela urgência já que você precisará dedicar mais tempo e recursos a ele e abdicar de outras coisas;
  • profissionalismo: cumprir os prazos acordados, ter ética, suprir e até mesmo superar as expectativas do consumidor são grandes vantagens competitivas, contribuem para sua reputação no mercado e qualificam você a poder pedir um pouco mais pelos seus serviços;
  • inovação: para soluções criativas, a inovação é uma peça-chave. Por isso, é crucial investir continuamente em formação, tecnologia e conhecimentos que tornarão seu trabalho cada vez mais interessante e singular para encantar clientes;
  • pós-venda: mesmo após a entrega do produto, você continua oferecendo apoio ao cliente? Saber que você continuará ao seu lado e que ele pode contar contigo caso tenha dúvidas ou problemas é um grande diferencial percebido como valor pelos consumidores.

Saiba qual o valor agregado percebido pelo seu público-alvo

Independentemente do que você vende: são seus benefícios, como eles solucionam um problema, facilitam a vida, trazem satisfação, status, enfim, uma série de valores imateriais que são percebidos por seus clientes.

Logo, perceba esse valor ao refletir como calcular valor do produto criativo que você oferece. Essa relação precisa ser equilibrada, pois, se cobrar menos do que a solução realmente vale aos olhos do público, pode deixar de lucrar para seu negócio.

Caso você note que ele não apresenta todas as vantagens que poderia, faça ajustes para atingir o patamar de preço que você espera.

A empreendedora precisa também precisa ter em mente que valores abstratos, que tornam sua solução única e original aos olhos do cliente e do mercado, devem fazer parte da fórmula para garantir que o preço final seja justo e compatível com seu talento e potencial.

Conheça a Ana Bavon

Como calcular o valor do produto autoral e criativo: guia completo

Ana Bavon é TedxSpeaker,  advogada Estrategista em Negócios, liderança e desenvolvimento Humano, agente Interseccional pela equidade de Gênero – Fundadora da Feminaria.

Engenheira de produção de formação, apaixonada por empreendedorismo, DIYs, artesanato e tudo relacionado a ele. Acredita que só é feliz quem sonha grande e ao mesmo tempo é genuinamente grato por tudo que tem! Escreve aqui no Blog e também no Academia Craft Academiacraft.com.

Veja mais posts deste autor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *