Home | Dicas para o empreendedor | Lucro da empresa e seu salário de artesão: você sabe a diferença?

Lucro da empresa e seu salário de artesão: você sabe a diferença?

Quem escreve o post de hoje na Rede Colaborativa é o Rafael Longo, desenvolvedor e analista de sistemas, criador do Calcularte, Sistema de gestão para pequenos empreendedores do ramo criativo.

Muitos artesãos têm dificuldade na hora de determinar o lucro da empresa. Geralmente isso acontece pela falta de clareza do que realmente é o lucro e para que ele serve de fato. Para remediar essa situação, é essencial compreender 2 pontos fundamentais:

  1. O lucro não é o que você, artesão, vai ganhar com a venda dos seus produtos. O lucro é a quantia que será reinvestida no seu negócio!
  1. O seu salário como artesão não é pago com o lucro. Seu salário e o lucro são itens distintos e ambos fazem parte da quantia acrescida ao custo básico de produção dos seus produtos, assim como outros itens, como despesas rateadas, taxas, impostos e comissões.

A imagem abaixo mostra um gráfico que representa a composição do preço de venda de um produto fictício e ilustra esse conceito de que o lucro é apenas um dos componentes acrescidos ao custo de fabricação do produto:

Lucro da empresa e seu salário do artesão: você sabe a diferença?

Lucro da empresa e seu salário do artesão: você sabe a diferença?

Vamos parar para analisar o gráfico por alguns segundos! Considerando que a fatia que corresponde ao custo do material representa o custo básico de produção da peça, note que existem 4 outras fatias distintas que também são acrescidas a esse custo básico: despesas, comissões, lucro e mão de obra. Cada um desses acréscimos deve ser calculado de uma forma específica e deve ser adicionado ao preço de venda para uma finalidade específica. Isso deixa bem clara a distinção entre o acréscimo que servirá para pagar o seu salário e o acréscimo que originará o lucro da empresa, bem como os acréscimos que serão destinados a pagar pelas despesas do seu negócio e pelas comissões devidas.

Um velho e perigoso hábito

Esse gráfico também ajuda a entender um fenômeno bastante comum. Você já deve ter ouvido algum colega artesão dizer algo como: “Pra definir meu preço de venda eu jogo 70, 100, até 200%  de lucro em cima do custo com materiais”. Se olharmos para o gráfico de composição de preço acima e somarmos o valor de todas as fatias acrescidas ao custo básico, teremos um acréscimo total de R$ 26,48 em cima de um custo básico (fatia de materiais) de apenas R$ 13,85. Isso representa um acréscimo de 191%, pela linha de raciocínio desse nosso colega artesão. E isso não é, propriamente, uma mentira. Isso, de uma certa forma, corresponde de fato à realidade.

Entretanto, o problema de enxergar esse cenário dessa forma é que não se está levando em consideração que para chegar a essa quantia total de acréscimo (R$ 26,48 = 191%), é necessário calcular o valor de cada fatia que compõe esse acréscimo separadamente. E que cada uma dessas fatias deve ser calculada de uma forma diferente:

  • Mão-de-obra: calcula-se com base no seu salário mensal desejado e na sua capacidade de produção mensal
  • Lucro: calcula-se com base no percentual de lucro que você definiu
  • Despesas, calcula-se com base na sua média mensal de despesas e na sua capacidade de produção mensal
  • Comissões, calcula-se com base nas comissões cobradas pelos seus parceiros

Por isso é tão importante distinguir entre cada componente acrescido ao seu custo básico de produção. Para que cada um seja calculado separadamente, utilizando os métodos de cálculo corretos e adequados em cada caso. E por isso é que não devemos colocar tudo sob o mesmo rótulo “lucro”. Isso não representa nem o conceito correto da palavra, nem permite um cálculo preciso e consciente do valor em si.

Então, qual percentual de lucro devemos praticar?

Compreendemos que o lucro é referente a somente um dos componentes acrescidos ao seu custo básico de produção. Assim fica mais fácil entender porque falar em percentuais de lucro de 50, 100 e até 200% é um tanto quanto excessivo. Afinal, esse percentual não precisa cobrir nada mais que o lucro da empresa. Cada uma das demais contas a pagar serão também acrescidas ao preço de venda, mas cada item em seu devido lugar.

Vale lembrar que a recomendação do Sebrae para que uma pequena empresa mantenha-se saudável é a prática de um lucro entre 10 e 15%, de forma geral.

Veja também:

+ Como calcular o preço de produtos criativos

+ Cobrar de forma empreendedora

Um resumo animado

Veja esse vídeo curtinho que ilustra esse tema de forma animada e mostra a diferença entre os conceitos de lucro e salário:

Como aplicar esses conceitos no seu negócio?

Que tal um parceiro que faça todo esse cálculo pra você, além de controlar seu estoque, pedidos, clientes e fornecedores? Então eu convido você a conhecer o Calcularte, uma ferramenta que vai te ajudar a organizar tudinho. Você poderá gerenciar todos os aspectos do seu negócio em um único lugar. Veja o vídeo de apresentação das principais funcionalidades do sistema:

Um presente do Elo7 pra você!

Lojista Elo7 tem um super desconto de 30% na assinatura do Calcularte.  Clique aqui e aproveite, é por tempo limitado!

Gostou de saber um pouco mais sobre o lucro da empresa? Acompanhe os próximos posts!

Sobre Elo7

Somos um time que é apaixonado por tudo que é criativo e feito à mão. Aqui no blog, trazemos dicas diárias para inspirar e ajudar no seu negócio criativo! Também organizamos oficinas e encontros em todo o Brasil. Conheça o Elo7!

Veja mais posts deste autor.

Deixe uma resposta